Abra os olhos para a revolução inovadora de Minas

Há exatamente um mês, ocupava todo o Expominas o evento que deixou este que ora vos escreve admirado com o que está se tornando o Estado de Minas Gerais: a Feira Internacional de Negócios, Inovação e Tecnologia (Finit).

Grosso modo, o governo do Estado*, percebendo que uma série de eventos separados – tendo como temas a pesquisa e o desenvolvimento (P&D), a ciência, a inovação e as startups – iriam ocorrer em datas muito próximas, resolveu reunir tudo em uma grande feira. Assim, criou a Finit.

Agregaram-se, em um só grande espaço, a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, a Arena de Negócios Codemig, a Campus Party (esta num clima popstar), e, ainda, alguns outros eventos de menor porte, como a Arena Sebrae.

Todos tiveram o seu lugar na Finit, realizada entre 9 e 13 de novembro: o adolescente cefetiano e seu projeto de armadilha de mosquito; a startup de tecnologia, recém-nascida e ávida pelo primeiro conto de reis em investimento; o investidor anjo em busca de agarrar uma oportunidade promissora.

Se você tem uma startup, um bom trabalho acadêmico, ou apenas está com os bolsos cheios, buscando diversificação do seu negócio já consolidado, com vistas a mantê-lo sólido ao longo das próximas décadas, mas não foi à Finit, saiba de uma coisa liquida e certa: você perdeu. E muito.

Teve até rockstar: Bruce Dickinson.

Famoso por ser esgrimista, historiador, piloto de aeronave, empreendedor e também por ser vocalista do lendário Iron Maiden, ele deu o ar da graça, numa palestra que impressionou quem esperava algo superficial em termos de empreendedorismo. O sujeito é bom, de verdade. Ainda é possível conferir tudo o que ocorreu no site oficial do evento ou baixando o aplicativo homônimo da feira, onde a programação encontra-se melhor detalhada. Se o leitor está em busca de fazer negócios, peço atenção para a Arena de Negócios Codemig. E, por gentileza, não a perca quando da próxima feira.

Há uma série de iniciativas sintomáticas que tem emergido com força crescente, desde 2013. São, sim, sintomas de um Estado que já vinha arquitetando, há cerca de dez anos, um ambiente pautado pelas práticas que receberam o carimbo de “economia do conhecimento”, à qual está associada a ideia de “crescimento puxado pela inovação”. Entre as iniciativas que revelam um expressivo salto de Minas estão, por exemplo, a própria Finit, o Seed (Startups and Entrepreneurship Ecosystem Development), o MGTI e, dentro em breve, a audaciosa Atmosphera, um dos maiores complexos de aceleração e incubação do Brasil.

O surgimento do ecossistema de inovação mineiro e seus eventuais sucessos servem para demonstrar, sobejamente, o quanto a simbiose público-privada pode dar certo. Esta interação deve ser promovida com cuidado. A questão é que nem sempre é positiva a relação entre o Estado e o privado. Ecossistemas não simbióticos podem gerar relações predatórias e nocivas à manutenção do crescimento econômico.

Cabe, portanto, estar atento aos atores de grande porte, dado o seu alto, e às vezes desmedido, poder de barganha. Minas, contudo, hoje transmite, aos diversos partícipes do sistema de inovação, a segurança e o otimismo necessários à compra do risco inerente ao ato de empreender. Uma segurança e um otimismo que se observam até mesmo no ambiente deste fatídico ano de 2016, o que, por si só, já diz o suficiente.

Prosseguindo-se a marcha mineira na direção de uma adequada combinação entre as iniciativas pública e privada, é perfeitamente factível antever, para um futuro não muito distante, a despeito do torvelinho dos dias correntes, destacada posição comparativa de Minas no contexto das economias impulsionadas pela inovação. A Finit veio para anunciar que o tempo é hoje e a hora é agora. Escute o Dylan: Se lhe parece seu, é bom que agarre já.


Confira, no vídeo, os números finais do evento.


* O governo de Estado esteve representado, na criação da Finit, pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sedectes), pelo Sistema Mineiro de Inovação (Simi) e pela Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig).

Thiago Santiago

Thiago Santiago

Engenheiro mecânico

3 comentários em “Abra os olhos para a revolução inovadora de Minas

  • 15 de dezembro de 2016 em 15:29
    Permalink

    A capital mineira surpreendeu a todos. Impulsionada pela arena de negócios, que conectou investidores& soluções inovadoras& grandes empresas, em paralelo, às 100 Open STARTUPS e às Instituiçoes, via Plataforma ITec…. em pleno cenário mineiro! Me senti, literalmente, ” nas núvens” !!! BH está revolucionando e empulsionando novos mercados! No mínimo: SENSACIONAL, Thiago Santiago!’

    Resposta
  • 26 de dezembro de 2016 em 19:20
    Permalink

    Ainda bem que estamos começando a ter este incentivo para empreendedores, num momento de crise em que o país se encontra, nada melhor do que confiar no seu próprio trabalho e esforço para melhorar a sua vida e a de outros!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *