Estar ao lado

Ontem, ao passar pela rua, fiquei observando um rapaz conduzir um senhor ao hospital.

O senhor, já idoso, caminhava com dificuldade, aparentemente com algum incômodo, mas tinha o semblante sereno. O rapaz o conduzia com carinho e cuidado.

Contemplei por alguns minutos aquela cena. Pai e filho? Amigos? Parentes? Não sei. Seguiam em silêncio. Vez ou outra uma palavra, um sorriso atencioso e suave. Senti-me tocado ao observá-los. Pensei na importância de estar ao lado das pessoas nos tempos difíceis, quando a doença lhes tira a vitalidade.

Estar ao lado remete à solidariedade, à compaixão. Reflete amadurecimento e amor. Muitas vezes demanda o perdão e a reconciliação, outras vezes é uma resposta de gratidão àqueles que cuidaram e que, a seu modo, amaram e protegeram.

A atitude de “estar ao lado” passou a ser valorizada e cresceu sob a influência de várias fontes. Com Hipócrates, considerado o pai da medicina ocidental, aprendemos a importância de acompanhar as pessoas em seus momentos de doença e de dor. Sua escola influenciou a formação médica e a de várias categorias profissionais. A visão e a prática de Hipócrates contagiaram várias gerações de profissionais.

A área da enfermagem cresceu nos estudos e na prática do cuidado, e desenvolveu, no decorrer da história, trabalhos belíssimos. E se citamos as contribuições de outras categorias profissionais, teremos também muito a dizer.

No âmbito das religiões, a tradição cristã, por exemplo, destacou o acolhimento, a solidariedade, a compaixão, a caridade, entre outros.

A filosofia, em suas várias correntes humanistas, fortaleceu a perspectiva da valorização da pessoa. Mais recentemente a bioética resgata a dignidade humana e a valorização de cada pessoa, o que também tem sido vastamente discutido na área do direito, entre outras áreas do conhecimento.

Inegavelmente bebemos de várias fontes. E sempre nos vêm novos olhares, palavras diferentes que nos remetem à atenção às pessoas. Infelizmente, ainda convivemos com o descaso, a indiferença e o abandono. Cresce em nosso meio uma prática individualista e imediatista que limita o agir aos próprios interesses e não percebe as necessidades do outro. Perde-se, assim, a possibilidade de vivenciar a beleza dos momentos de encontro e partilha, presentes em vários serviços de saúde, escolas, domicílios, entre outros.

O rapaz acompanhando aquele senhor fez-me pensar na beleza de estar junto das pessoas que amamos. Por certo não poderemos estar à disposição o tempo todo. Temos os nossos afazeres, os nossos momentos. Mas, nas oportunidades que tivermos, que o encontro seja iluminado pela solidariedade e pelo cuidado.

Aristides José Vieira Carvalho

Aristides José Vieira Carvalho

Médico, mestre em medicina, especialista em clínica médica e em medicina de família e comunidade, professor do curso de medicina da FASEH e coordenador de Residência Multiprofissional da Atenção Básica/Saúde da Família da Secretaria de Saúde de Belo Horizonte.

4 comentários em “Estar ao lado

  • 18 de abril de 2017 em 21:37
    Permalink

    Lindo texto Tidinho! Feliz daquele que tem a possibilidade de cuidar dos seus pais e familiares, e retribuir todo carinho que lhe foi dado por eles, especialmente nos momentos mais difíceis da vida. Grande abraço.

    Resposta
  • 21 de abril de 2017 em 10:46
    Permalink

    Temos uma enorme oportunidade de aprender quando a vida nos tras alguém, principalmente em casa, que requeira maiores cuidados. Bom mesmo seria que naturalmente nos cuidassemos, muito, e naturalmente.
    Como todos os que tive o prazer de ler, linda mensagem, Aristides.

    Resposta
  • 24 de abril de 2017 em 09:00
    Permalink

    É verdade… esse texto nos faz refletir… estar ao lado de fato! Dedicar aquele tempo à pessoa que estamos acompanhando, acolhendo, proseando sobre assuntos que desperte o interesse daquele que necessita ser ouvido. Parabéns Professor Aristides por nos atentar para “Estar ao lado”…

    Resposta
  • 11 de maio de 2017 em 17:32
    Permalink

    Ei Aristides. Sua observação das coisas simples do cotidiano é de fato uma virtude. O que chama a minha atenção são os temas de sua escolha. Você fala de situações que muitas vezes nós no dia a dia não valorizamos ou passam desapercebidas. Ah! E a diferença que isso faz nos relacionamentos… Gostei! Espero estar ao lado…

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *