O Facebook poderá ser o seu banco

Já se foi o tempo – nem tão longínquo – em que o Google era apenas um buscador de endereços na internet e o Facebook não passava de uma rede social. Essas duas empresas caminham a passos céleres para dominar alguns segmentos econômicos e destronar titãs do mercado antes tidos como inabaláveis.

Exemplo disso é a autorização que o Facebook acaba de receber do Banco Central da Espanha para atuar no país como instituição financeira capacitada a operar com dinheiro eletrônico, podendo oferecer aos seus usuários serviços como transferências monetárias e recolhimento de doações para obras sociais, entre outras operações financeiras.

Nos Estados Unidos, isso já é uma realidade para a empresa de Mark Zuckerberg, mas o início desse novo negócio na Europa é visto como um indicativo de que as empresas de tecnologia podem representar uma séria ameaça ao domínio das instituições financeiras tradicionais no que diz respeito aos meios de pagamento.

Em outubro de 2016, a companhia já havia obtido autorização similar do Banco Central da Irlanda. E como seu pleito foi aceito por um estado membro da União Europeia, a empresa notificou aos demais sócios do bloco a criação da Facebook Payments International Limited, com sede em Dublin, e sua nova condição de operadora no mercado financeiro. Daí, a obtenção, agora, do registro na Espanha.

Há aproximadamente um ano e meio, os usuários do Facebook nos Estados Unidos já podem enviar dinheiro para terceiros por meio do Messenger, sem necessidade de abrir uma conta. Para isso, no entanto, a empresa ainda não dispensou os serviços das operadoras de cartão de crédito. Nas transferências, o usuário fornece o número do seu cartão e recebe um código PIN, que serve como assinatura para liberar as operações.

As incursões do Facebook no âmbito financeiro tiveram início em 2012, quando a companhia celebrou um acordo com o Commonwealth Bank, da Austrália, para desenvolver um aplicativo de pagamentos através de sua rede. Depois, foram firmados também acordos com o ASB Bank, da Nova Zelândia) e o ICICI Bank, da Índia, para dar acesso direto aos clientes dessas instituições aos serviços bancários online.

Ronaldo Lenoir

Ronaldo Lenoir

Editor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *