Os que convivem com os amigos e a comunidade envelhecem melhor

Em 1938, a Universidade de Harvard iniciou uma pesquisa com 724 rapazes que residiam em Boston. O objetivo era o de acompanhar as suas vidas até a velhice, procurando-se saber o que é que faz as pessoas, ao longo do tempo, se tornarem mais felizes. Completaram-se 78 anos de estudos ininterruptos, que prosseguirão adiante. A cada dois anos, integrantes da equipe do Harvard Study of Adult Development, como é denominado o projeto, visitam as pessoas pesquisadas, com uma nova bateria de entrevistas e de exames físicos. Do universo de homens inicialmente avaliados, estão vivos cerca de 60%, muitos deles com mais de 90 de idade.

É o maior e mais duradouro estudo sobre a vida humana já realizado no mundo. A conclusão é de que foram e continuam sendo mais felizes e saudáveis aqueles que cultivaram os relacionamentos de amizade. “Ao reunimos tudo o que conhecíamos sobre eles, quando estavam na faixa dos 50 anos, constatamos que não eram os níveis de colesterol da meia-idade que anunciavam como iam envelhecer. Era o grau de satisfação que sentiam em seus relacionamentos pessoais”, disse o psiquiatra Robert Waldinger, que dirige a pesquisa.

O que conduz os indivíduos a uma vida mais feliz não é sucesso profissional, a riqueza, a fama ou as realizações de vulto. “Acontece que as pessoas com mais ligações sociais com os amigos, com a comunidade e com os familiares são mais felizes, são fisicamente mais saudáveis, vivem mais tempo do que aqueles que têm menos relações”, afirmou Waldinger em uma conferência que foi gravada e está disponibilizada na internet. O título da conferência é “Lições do Maior Estudo Sobre a Felicidade”.

Aqueles que cultivaram e mantiveram os relacionamentos sociais, ao longo da existência, acabam padecendo menos dos problemas físicos, advindos da idade, do que os que viveram solitariamente – para estes, as dores dos males da idade acabam sendo magnificados. O que importa, no final das contas, não é a quantidade de amigos ou de parceiros da vizinhança, mas a qualidade das relações.

Daí porque o tête-à-tête, o face a face, tem um valor especial, mesmo que, nessa interlocução, ocorram eventuais discordâncias. Quando se tem o hábito do relacionamento corriqueiro com os amigos, as discussões mais ácidas acabam, depois, desaparecendo, “não se fixam na memória”, afirmou o psiquiatra em sua palestra. O empenho em se relacionar, torna-se um costume. Os que assim procedem conseguem, ao se aposentar, incorporar novos amigos ao seu cotidiano, repondo os que, devido às circunstâncias, ficaram geograficamente distantes.

O corpo prefere a inércia. Quanto mais isolado se está, mais isolado se quer ficar. Comodamente, há quem espere pela fórmula da felicidade. “O que gostaríamos mesmo é de uma receita rápida, qualquer coisa que possamos arranjar, que nos dê uma vida boa e nos mantenha em forma. As relações são conturbadas e complicadas, e é trabalhoso lidar com a família e os amigos – não é sensual nem fascinante. Mas, o resultado dura a vida toda, não acaba nunca”.


Texto originalmente publicado na revista Bares & Restaurantes

 

Valerio Fabris

Valerio Fabris

Editor

Um comentário em “Os que convivem com os amigos e a comunidade envelhecem melhor

  • 16 de novembro de 2017 em 12:37
    Permalink

    Amizade faz bem ao coração nos dois sentidos. Igual ao vinho.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *