Um quarto para chamar de meu

Já morei em várias casas ao longo da minha vida. Nasci no Rio de Janeiro numa madrugada de julho, em uma maternidade no bairro de Copacabana, e fui então morar com meus pais no bairro da Tijuca no mesmo Rio.

Moramos ali por cerca de cinco anos, num apartamento que era a nossa casa, mas as lembranças dessa época já não recordo mais…

Após esse período, meu pai foi transferido e promovido para ocupar uma gerência da empresa Herbert Richers — lembram? “Versão brasileira, Herbert Richers” — em Belo Horizonte. Aí, então, minha história mudou.

Em BH, no início, moramos em uma casa na rua Turfa, bairro da Barroca, por muitos anos. A família toda, meu pai, minha mãe e os meus quatro irmãos. Foram momentos dourados da minha infância e adolescência, fazendo amigos, jogando muito futebol, brincadeiras de rua etc., mas sempre dividindo o quarto com meus irmãos. Ou seja, desde aquela época eu era doido para ter um quarto só pra mim.

Depois, fomos morar no bairro Gutierrez, na rua Andrade Neves, em um apartamento até amplo, de 3 quartos — ou seja, ainda dormíamos eu e meus irmãos no mesmo quarto… aquela confusão! Mas dava certo. Não sei como, mas dava. E eu sempre pensando em ter um quarto só pra mim…

Um tempo depois — aliás, um bom tempo depois — mudamos desse apartamento para um outro, no mesmo bairro, na rua Estácio de Sá. Era um apartamento até muito legal, mas sempre com aquela sina: um quarto pra todo mundo!

Ficamos nesse apartamento por uns dois anos, até que meus pais se mudaram para o Rio novamente, e eu, já trabalhando, aluguei um apartamento, no bairro Santo Antônio, de um quarto, sala, banheiro, cozinha e área de serviço. Uma maravilha, finalmente consegui ter um quarto pra chamar de meu… minha nova casa.

Depois, minha vida tomou outros rumos, casei, tive duas filhas maravilhosas. Moramos em locais distintos, mas sempre com aquela percepção de que cada casa era a nossa casa… tanto na saída como na chegada.

Então, o que descobri por todas essas experiências, é que casa —aquela em que você mora, de onde sai e para onde volta— é, afinal, a casa em que você está vivendo no momento.

Guilherme Mauro

Guilherme Mauro

Profissional de Relações Públicas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *