Uma vocação natural

A par das últimas tendências, estudioso do comportamento do seu consumidor, Flávio Sérgio construiu cenários e definiu objetivos, levantou estratégias e táticas. Animado pela perspectiva de ampliação das margens, alargou o horário de funcionamento e investiu em infra-estrutura, dotando sua sede de modernos equipamentos, mobiliário de design arrojado e estacionamento espaçoso, com manobristas a postos. As benfeitorias incluíram, ainda, o refinamento do cardápio do bar e do restaurante, com a contratação de renomado chef de cozinha. Não contente, o empreendedor melhorou as condições de acesso ao ponto de venda, sinalizando as imediações, e custeou eficiente campanha publicitária, veiculando anúncios cifrados nas redes sociais.

Atento à qualidade do seu corpo funcional, contratou serviços de coaching, atualização e treinamento, professores de inglês e espanhol. Agregando novos profissionais à equipe, visou contemplar as necessidades de um público mais diversificado. Os experientes continuavam a ser os mais procurados, mas havia lugar também para os novatos, que atraíram os clientes abertos a novidades. Sintonizado com as práticas mais bem sucedidas em seu campo de atuação, viajou para a Europa e os Estados Unidos, em intensa atividade de benchmarking. Voltou com a cabeça fervilhando, entusiasmado e disposto a incorporar ao seu negócio as idéias que considerou mais criativas.

O mercado não tardou a responder, positivamente. O aumento da procura refletiu-se com rapidez nos resultados, o que deu a Flávio Sérgio a certeza de que havia caminhado na direção correta. Alguns dos funcionários recentemente admitidos se sobressaíram pela energia empregada, conquistando fregueses fieis, que dobraram, e, em alguns casos, triplicaram, a freqüência à casa. Ainda que o atendimento tradicional continuasse o carro-chefe, as inovações não decepcionaram, adicionando segmentos importantes à sua clientela.

Luminoso insight veio quando Flávio Sérgio imaginou a rede de franquias espalhadas por todo o território nacional. Empenhado em desenhar o novo modelo do business, montou um time de alto nível, ao qual atribuiu a função de redigir o manual técnico a ser seguido por todas as unidades da companhia. O texto explicitou missão, visão e valores, além de cada um dos serviços a serem prestados pelos parceiros, detalhando o seu modo de execução e o perfil dos colaboradores a serem recrutados. Seu sonho para o futuro era montar uma espécie de universidade corporativa, capaz de adestrar turmas repletas de alunos nos métodos por ele desenvolvidos.

Um dos professores mais prestigiados dessa escola seria, com certeza, o velho Vando Sávio, desde sempre no ramo. Uma vocação natural, era expert em todas as modalidades de suplício oferecidas pela empresa. Talentoso no uso de velas, algemas, correntes e chicotes, preferia, no entanto, produzir com o vigor das próprias mãos, duras e pesadas, a dor contratada por seus numerosos clientes. Um verdadeiro clássico.

Rogério Faria Tavares

Rogério Faria Tavares

Mestre em Direito pela UFMG e jornalista. Membro da Academia Mineira de Letras e do Pen Clube do Brasil, é cronista do Diário do Comércio. Casado com Sabrina e pai de Carlos e Gabriela, reside em Belo Horizonte, MG, cidade em que nasceu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *